Tenho sede!

“Tenho sede” é um dos sete clamores da cruz. Jesus, com a sua crucificação, levou sobre si todos os temores, anseios e pecados da humanidade, por isso, Ele conhece cada gemido e necessidade da alma humana. Ele estava ali, na cruz, no lugar de cada homem e mulher que viveu através dos séculos. Estamos vivendo uma geração, talvez, a mais sedenta de todos os tempos. Uma onda de depressão tem assolado vidas e não tem escolhido cor, gênero, idade ou classe social. A desilusão e a falta de esperança têm permeado os corações, aprisionando-os de tal forma, que muitos, a passos lentos, são conduzidos ao suicídio. Nos palácios ou nas choupanas a sede tem vitimado muitas vidas, não a sede de água natural, mas a sede que não não pode ser saciada pela melhor fonte de água que possa existir neste mundo.

Todos os homens, grandes e pequenos, são dotados de um espírito, invisível, mas real. Esse espírito é que determina o que o homem  realmente é.  O homem veio de Deus, foi criado por Ele, e o seu espírito, independente do credo, clama desesperadamente por Deus, por um relacionamento com Ele. E esse clamor, não saciado, gera uma sede espiritual. Deus amou tanto o homem, que entregou Jesus para pagar o preço do pecado do homem e trazê-lo de volta para si, para restaurar a comunhão com Ele. Apenas em Jesus, o homem pode encontrar a satisfação que tanto procura. Jesus é a fonte de águas vivas, quem beber dela jamais terá sede, e do seu interior fluirão rios de águas vivas! Isso é real, muito real! Jesus não é uma religião, como muitos pensam. Nenhuma religião, por melhor que seja, tem o poder de saciar a sede do homem e ajudá-lo na sua incansável busca por algo que o satisfaça. Mas a resposta para essa busca incansável, encontra-se em uma pessoa. Uma pessoa real, que não está morta ou distante a milhões de quilômetros, mas uma personalidade viva, real, que pode se relacionar literalmente com o homem sedento e suprir o grito da sua alma, tirá-lo do desespero da incerteza, da falta de esperança e desilusão.

Hoje, Ele está à porta de cada coração, dos religiosos também, batendo e desejoso que essa porta seja aberta e Ele possa cear com cada um. Quando um coração se abre, sinceramente,  um relacionamento de intimidade e de confiança é iniciado, jamais terá fome ou sede, porque o Autor da vida e Senhor de todas as coisas, a fonte de águas vivas, jamais o deixará!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *